sexta-feira, 1 de junho de 2018

Coração em aporia


Na classe de literatura
estranhavam-me a impotência
de ler algo tão curto
como a colônia penal
enquanto crime e castigo
passava rápido pelos meus olhos
duas, três, não sei quantas vezes.

(Reli para o seminário
o professor que eu admirava
se disse impressionado)

Kafka é maravilhoso,
não precisam me explicar,
mas muitas páginas são nada
quando se encontra no final
graça, esperança e redenção.

Insistiam comigo, era piegas
a expiação do culpado,
eu pensava aqui dentro
e respondia sem receio
que não entenderam.

Já faz dez anos
de quando eu não lia
o livrinho,
cheguei à última página
e vi a ausência permanente,
o coração em aporia
resolveu-me o problema.

No fim das contas
é bastante simples,
não me agradam
os livros sem graça.

Anápolis, 1º de junho de 2018.

Como poderei


Como poderei deixar a poesia
e me voltar para textos sem sentido
dizendo coisas que não quero dizer?

Não posso, não consigo abandonar a arte
- uma menina dança num vídeo -
por essas coisas tão importantes da vida
como o trabalho incessante dos dias.

A música da minha juventude
pulsa no coração, pulsa como antes,
e sempre volto.

A vida chama, obriga, bate,
a gente vai, lava um pouco da louça,
fica na reunião até o final,
discute, reforma, prepara,
corre no mercado comprar o esquecimento.

Enquanto isso passa rápido
na cabeça coração devaneio
estão as velhas canções
o quadro lindo da exposição
os versos tocantes do amigo
o céu azul no parque
(com toalha e pique nique)
o balé da década passada
a peça durante a greve
o Elvis dançando na rua
o show que vimos juntos
a oração solitária e de mãos dadas.

Parece pouco, talvez,
mas é tudo.

Anápolis, 1º de junho de 2018.

domingo, 27 de maio de 2018

O melhor de mim


O melhor de mim
são palavras singelas
expressadas com amor
que quase ninguém lê.

Uma verdade inescapável,
profunda, simplezinha,
o amor, sem parecer,
é sempre bastante.

Continuo mandando
palavrinhas para o mundo
esperando talvez
alcançarem seu destino.

Quando chega, enfim,
o esperado encontro
sou cheio de alegria
como criança, e choro.

Temos todos
afetos represados
esperando a chance
de voar.

Anápolis, 14 de maio de 2018.

Reencontros ou poema de um professor satisfeito


Para Beatriz e Gabriel

Era uma conversa comum
desses nossos temas cotidianos
crise financeira, greve na universidade,
esquerda, direita, ricos, pobres,
tudo de suma importância
como a vida, aliás.

Eu falava e escutava
alegre, apesar de tudo,
basicamente impressionado
porque eles, meus antigos alunos,
me falavam com afeto
e muita competência,
olhando nos olhos
à mesma altura.

Anápolis, 18 de maio de 2018.

Lagriminhas


Os poemas que escrevi
para meu pai e minha mãe,
ainda choro quando leio.

E fico pensando assim:
meu Deus, quando é que passa
essa solidão dura e inclemente?

Muitos anos atrás
escrevia poemas em perguntas
e ainda me faltam as respostas.

Um dia a vida finda
e tudo de bom e ruim
fica esquecido.

Agora, porém, levo comigo
as lembranças boas
as ausências.

Em dias aleatórios
lembro dos meus pais
e choro pelas madrugadas.

Em tardes aleatórias
chorava por minha mãe
caminhando em lembranças.

Fingi me acostumar
porque a vida segue,
está bem.

O coração, apenas,
teima em fazer dessas
e a gente não controla.

Esqueci minhas perguntas
de quando tinha quinze anos,
as memórias continuam aqui.

Outro dia fez dois anos,
não escrevi, não falei,
pensei, senti.

Amanhã faz cinco anos
nunca sei ao certo
como vou agir.

Sinto sempre e muito, penso
falo pouco ou quase nada
pareço sempre igual.

Todo mundo sabe
ninguém é o que parece
lição pra recordar.

Não é possível
viver a vida
sem sofrer.

Não é bom
viver a vida
sem amar.

De alguma forma
é um mistério
a gente pode se encontrar.

A mesma música
um livro
uma ausência.

De alguma forma
não sei como
espero
a gente se encontra por aí.

Goiás, 27/06/2015 (1h22) – Anápolis, 21/05/2018 (20h08)

As dores da alma


Num dia qualquer você faz uma pergunta
enquanto caminha pelo corredor
e a pessoa ao lado acha tudo estranho.

Num dia comum o algodão branco do céu
parece mais triste porque o azul não brilha
e as mesmas pessoas amadas aborrecem.

Num dia desses você perambula pelas ruas
que já conhece vendo as casas repetidas
e a cidade parece mais feia e mais suja.

Num dia assim a grama verde de ontem
fica seca, feia, não tem a menor graça
e as árvores estão todas amarelas.

As dores da alma calam mais fundo,
a solidão ruge mais forte no peito
e você não sabe exatamente por quê.

Formosa, 23 de maio de 2018.

sábado, 26 de maio de 2018

Há dias ruins


Há dias ruins
em que o mundo
perde as cores
e as luzes são escuras.

Há dias ruins
em que você diz
palavras inadequadas
e percebe logo depois.

Há dias ruins
em que chegam
notícias desequilibras
e a vida se contorce.

Há dias ruins
em que a solidão
é um fardo muito grande
e não dá pra carregar.

Há dias ruins
em que o amor
está tão longe
mal dá pra ver.

Há dias ruins
sabemos, e eles
fazem parte da vida
como os outros.

Formosa, 23 de maio de 2018.

domingo, 13 de maio de 2018

Aos órfãos de muitas mães


No segundo domingo de maio
desejo aos órfãos de muitas mães
o encontro do amor imerecido
em algum canto da vida.

Sentimos diferente a ausência
e no fundo não sei o que é pior,
ter mãe e perdê-la cedo demais,
procurá-la sem poder achar.

Nosso caminho é um grande mistério,
a esperança move o coração vazio
e queremos, precisamos, todos juntos
preenchê-lo com graça e verdade.

O que mais lembro


O que mais lembro de minha mãe
é seu sorriso franco e aberto
enchendo tudo ao redor.

Sinto seu amor nas velhas fotos,
procuro por ela em orações
e Deus me estende as mãos nas lágrimas.

Nos domingos solitários
o vazio aperta o peito,
silêncio é o consolo impossível.

O amor de mãe, na lembrança,
me faz esquecer a aridez
engastada na pele.

Todos nós que somos filhos
não sabemos muito bem
a grandeza desse laço.

Eu, que sou filho
de uma mãe há muito ausente
fico perdido a meditar.

Guardo no coração
as eternas lições
aprendidas sem saber.

O sorriso alegre
tem grande poder.

O perdão gratuito
é urgência da vida.

O amor, o amor verdadeiro,
supera tudo mais.

Mãe


Eu perambulava pelas ruas
sob a chuva fina, mãe,
e você me perguntava
onde eu ia, o que fazia
e se voltava.

Sumi muitas vezes
sem dizer as respostas
e seu coração se esvaziava,
eu sei.

Eu voltava e você
sempre estava lá
e cantava a adolescência comigo.

Ah, que coisa incrível, mãe,
você lavando a louça
Hey, ho, let’s go!

Eu queria escrever, mãe,
por pra fora o mundo represado,
e você lia comigo
e traduzia meus poemas ruins
porque o rock com os amigos
precisava do inglês.

Criancinha, antes de dormir,
você me ensinava orações
e a ficar sozinho
sem medo do escuro.

Que coisa horrível, mãe,
você me via de farda
na escola das agulhas negras
e eu disse que não.

Fui pra longe de você, mãe,
mas não era culpa sua,
no fundo a vida me chamava
e eu fui, assim mesmo,
sem pensar.

Corri para longe
procurando Deus no mundo
e tentando ser melhor
cometi muitos enganos.

Eu gostava de voltar, mãe,
mesmo sem dizer,
não ficava olhando
da janela do ônibus
porque tinha medo de sofrer.

O medo e a solidão, mãe,
endurecem o coração,
hoje eu sei
e você tentava me contar.

Estava ocupado, mãe,
com os anseios da juventude,
a dureza da verdade,
o ímpeto sem delicadeza.

Eu era jovem, mãe,
e não tive tempo de voltar,
era jovem, sem experiência,
só queria fazer o que era certo.

Naquele tempo eu achava, mãe,
o que acham todas as crianças,
você estaria sempre
esperando-me chegar.

E então, mãe, o telefone tocou
e eu corri pra ver você,
mas era a hora da partida.

Mantive a firmeza e a esperança, mãe,
segurando a sua mão
na ambulância sozinho
entre os hospitais.

Não deu tempo, mãe,
de crescer e aprender
a amar como você
e a sorrir pra todo mundo.

Muita gente foi se despedir, mãe,
e me abraçaram e beijaram,
e eu continuei indo adiante
porque agora, mãe,
não podia mais voltar.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Reunião


Do alto de um monte
a natureza celebrava
alegre e suave.

As águas do mar
cintilavam verde-azul,
barquinhos passeavam devagar.

A mata atlântica,
sonhava verde-delirante,
pessoas caminhavam pequeninas.

O céu nevoado
cantava azul-ternura,
aves voavam com o vento.

Espetáculo assim, magnífico,
exige algum esforço,
breve sofrimento.

No monte, alto,
sobre pedras nuas,
reunidos à criação
festejamos.

Anápolis, 9 de fevereiro de 2018.


segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Agenda


Enquanto vigiava a noite
meditava sobre verdade e beleza,
bateu súbita a prosa da vida.

As tarefas do dia
dividem a mesma agenda
onde me sai sofrida a poesia.

Consertar o chuveiro
A reunião – não irei
Escrever para fulano.

Resisto – em cada página
espreitam poemas, sonhos, desenhos,
e tudo se mistura
nos dias velozes,
lambendo o tempo
o tempo que nos resta.

Anápolis, 8 de janeiro de 2018.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Numa noite qualquer

Às vezes, numa noite qualquer,
quando se espera das máquinas
as mesmas mensagens desprezíveis,
como já nos acostumamos
a ver todos os dias,
chegam palavras de afeto
e carinho e gratidão
lembrando que a vida
apesar de tudo
não precisa ser tão dura
e pode ser, sim!
um pouquinho melhor.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Um por cento ou matemática da defesa

Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai, 
por vossas misérias, que sobre vós hão de vir. 
Tiago 5,1

Como nos defenderemos
dessa gente mesquinha e covarde,
a elite empreendedora,
os ricos, as corporações,
esses senhores disfarçados de dignidade
nos ternos bem cortados,
no minimalismo descolado
das jovens start-ups,
os donos do mundo e do capital,
um por cento predadores?

Senhores e senhoras
vamos aos números
do susto e da desgraça.
Menos de um por cento
de todos os seres humanos
engole quase a metade da riqueza produzida.

Ze-ro-vír-gu-la-se-te.

Vamos clarear
talvez ainda
esteja difícil de entender,
população de 0,7% = 41% do tesouro.

Certas pessoas comem por cem.

Ainda mais números,
precisamos da matemática,
senhoras e senhores.

Oitenta e cinco
é o cômputo das gentes
engolindo em bocadas grandes
oitocentos e trinta e três
pedaços do bolo
repartido em mil.

Outra vez
é preciso
esclarecer:
pessoas 8,5% = 83,3% da fortuna.

Essa gente come bolo!

E ainda querem
nos fazer acreditar
que esses poucos
produziram tudo
com seu suor e trabalho.

Sou fraco nessa fé.

O resto de nós todos
é apenas um bando
grande e preguiçoso
que não se esfoçou o suficiente
ainda?

Como nos defenderemos
desse ataque tão mordaz?

A comilança sempre aumenta
e devemos produzir outro bolo
recheado e com confeitos
para os patacudos.

Vamos todos juntos
trabalhar alegres,
bem dispostos,
talvez nos sobrem umas migalhas!

E essa gente gulosa mata
um dia após o outro
as girafas pescoçudas
os rinocerontes chifrudos
os leões reis-da-selva
os corais da Austrália
os peixinhos da Amazônia
os tubarões do mar azul
os gorilas grandalhões do Congo
infinitos seres pequeninos.

Bocarra aberta
engolindo o abismo da criação.

Dessa violência
nos defenderemos?

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Tão rápido


Ainda me impressionam
as pessoas na sala de espera
do consultório psiquiátrico
olhando arregaladas os telefones.

Às vezes me pedem
que mande mensagem no zap,
respondo que não,
não posso, não quero,
e me olham estranho.

Sou de outro tempo
e nem sou tão velho assim.

Não é questão de idade,
gosto de olhar nos olhos,
de reparar nas caras esquisitas,
gosto até do tédio
das revistas velhas
sempre de direita,
de banalidades,
que folheávamos
esperando o tempo.

Outro dia me explicaram
o que era Pokemon, pokebola
e não fez sentido.
Nenhum.

Daí às vezes me preocupo
de nos vigiarem
e seguirem
e matarem
às vezes de outra forma.

Mas então, o que fazer,
todos estão nessa coisa
de teclar com polegares,
tirar fotos de si,
usar ainda mais palavras inglesas.

Comprar comprar comprar.

Tenho que dizer onde estou
pra pegar um táxi mais barato,
pra namorada ficar tranquila,
pra provar qualquer coisa.

Não quero e me lembro
dos dias na estrada
por aí, pelo mundo,
inseguro e sem medo.

Eram outras esperanças dez anos atrás.

Penso mesmo em plantar umas alfaces,
colher e sujar a mão de terra,
e ficar ali num canto
vendo os outros passarem
tão rápido.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Quanto Vale?



Quando criança aprendi
na escola dominical:
“o verbo se fez carne
e habitou entre nós”.

Mais tarde entendi
o verbo Jesus
era também palavra
era também razão.

Hoje quase preciso me desculpar
por saber do logos grego
ofende quem não sabe.

Perdão, perdão a todos,
eu gosto de aprender!

Poesia, um amigo ensinou,
é feita de imagens
e nunca me esqueci.

A metáfora salta do papel
grita detrás da tela
urgente, urgente!

Moisés abriu o mar,
passou na novela outro dia,
liberdade ao povo de Deus!

O mar de lama
era imagem
virou verdade.

A culpa só pode ser dos céus
os milagres bíblicos
não se reeditam.

Esqueceram de passar
na tampa da represa
o sangue dos cordeiros.

O Bento foi soterrado,
que tragédia – natural!

A bênção dos tempos modernos
é só para aqueles, bem devotos,
que buscam em primeiro lugar
o lucro, o lucro.

It’s only business, my friend!
Dizem os acionistas
correndo atrás do tempo
perdido.

Já não há mais tempo
para cada coisa sob o céu.

Não há mais céu
nessa nova religião.

A culpa é dos profetas,
só pode,
não tocaram a sirene.

A culpa é do destino,
tem de ser,
de quem mais?

O mar de lama
invade a vida
de súbito.

Moisés já é passado
o novo deus
não encarnará.

Não há razão
para explicar,
as palavras
vão sumindo.

Cada um dos mortos
dói em infinitos corações.

Bem que Jesus mesmo se cansou
“Até quando terei que suportá-los?”

Até quando nos suportaremos?

Quanto Vale a vida humana?
Quanto Vale um rio?
Quanto Vale um peixe morto?
Quanto Vale a água?
Quanto Vale a vida?
Vale?

O verbo habitou entre nós
mas não vimos a graça e a verdade.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Jesus no coração


Para Kaithy e Luís

Pus o Cristo no coração
num sabão com Jesus
inscrito em baixo-relevo.

Uma metáfora musical
fez-me lembrar
Oh, happy day!

Os pecados limpos,
a imagem do grande abismo
chegou-me de repente.

Disse aos amigos,
imitando C. S. Lewis,
iria buscá-los no Inferno.

Ela disse que preferia ficar,
mas então contei
como eram as coisas:

não havia fogo nem festa,
só monotonia cinza
e burocracia eterna.

Perguntei-lhe se ainda
insistiria em se alojar
mas não me respondeu.

Acredito que não.

Alguém prefere estar
sozinho entediado
quando acenam-lhe
do outro lado da rua
de onde há festa e alegria?

Goiás, 31 de agosto de 2015.

sábado, 2 de maio de 2015

O governador se defende dos mestres

Um livro lido,
um punho erguido,
um coração pulsando
são armas de ataque.

As palavras ditas,
os gritos em coro,
as almas em uníssono
são armas de ataque.

A sequência caótica dos dias,
o amigo desistente,
a tristeza dolorida
são armas de ataque.

O roubo do futuro,
o ódio recebido,
o desrespeito
são armas de ataque.

O governador injustiçado
apenas se defende
dos mestres indignos.

Os policiais ameaçados
apenas se defendem
dos mestres violentos.


A bomba explode
obedecendo ordens de defesa.

A arma atira
obedecendo ordens de defesa.

O cão ataca
obedecendo ordens de defesa.

Todos se defendem
dos mestres-monstros
ameaçadores.

Bem defendidos todos,
aprovam o roubo
e celebram o esquecimento futuro.

Todos bem seguros,
garantida a ordem,
entrevista coletiva:
black blocks infiltrados,
tropa de choque com medo,
pequenos excessos
talvez investigados.

Na praça, na vida de verdade,
o sangue pulsa,
o sangue jorra,
mancha as camisas,
marca o chão.

Sangue das veias
de pessoas vivas,
não a tinta vergonhosa
da mentira sempre infame.

Vinte policiais feridos,
diz o governador
na realidade inventada
do mundo dos jornais.

Na praça, na vida de verdade,
o contador impreciso de feridos
apenas cresce:
cem, duzendos, trezentos...

O assessores sábios
apenas expressam
a alegria incontida.

Os mestres são culpados
antes de tudo
pelo ataque.

Somos nós os culpados
por nossas feridas
e pelo sangue no chão.

Duas bombas, uma arma,
valem mais que um professor.

Depois de tanto ódio
nosso lamento é coitadismo,
devemos retomar a ordem,
trabalhar por amor.


Não se pode atacar assim
a polícia, os deputados, o governador,
a injustiça não pode prosperar.

O correto é obedecer calado,
abaixar a vista,
aquietar o coração.


São metáforas apenas
a bomba de efeito moral,
o gás lacrimogênio,
as armas não letais.

O sangue
pulsa nas veias,
o coração apertado
às vezes explode.


O punho erguido
nem sempre aguenta.

Nesses tempos difíceis
tudo bem chorar.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Promessas não cumpridas de palavras escondidas.



Acontece com todos nós
essa falha simples
de fazer promessas impensadas
e não cumpri-las sem peso.

Não falar demais,
ser mais discreto,
ouvir em silêncio
são algumas das minhas favoritas.

Claro, não as cumpro.

Incapacidade crônica,
auto-engano,
tanto faz.

O fato indiscutível
é o não cumprimento das promessas.

Pesa sobre mim às vezes
algo mais grave.

Pensei comigo sozinho
sobre não escrever poemas para os mortos.

Minha mãe, morta, recebeu muitos deles
até que me cansei.

Daí então essa promessa meio oculta,
dessas coisas que silenciamos.

Planejei, refleti, imaginei palavras,
escutei os sons
e vi bem claro
a emoção dos vivos
lendo sobre si.

O tempo,
esse velho traiçoeiro,
impediu-me o intento.

Meu pai se despediu de súbito
e me forçou a fazer outra vez.

Descumpri minha promessa
porque as palavras,
essas ali de dentro,
ficam presas até que explodem.

Não é nada como um adeus.

É o silêncio repentino
da vida em seu fim
quando a gente não espera.

Goiás, 6 de dezembro de 2014.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Lembranças de Macaé

Era um dia desses, cinza
chuva com pedacinhos de petróleo
vindos do fundo do mar
em plataforma flutuantes.

Era uma dia assim, sujo,
de sarjetas empoçadas
fuligem terra água-suja
carros passando e sinais fechados.

Era um dia de viagem
entre-caminhos procurando
desencontrando pessoas
mal-humoradas da vida.

Era um dia um pouco torto
descolorido em preto e branco
apenas isso e o mar azul distante
bem ali, ao lado da rodoviária chuvosa.

Era uma noite plena
de ruídos desconhecidos
o sono incompleto
em roncos duplicados.

Foi assim, um diazinho
desses em que dá tudo errado
e chuva cai devagarinho
e a sujeira da cidade
se acumula nas ruas
e a pousada barata
é uma caverna melhorada
e as pessoas te destratam
e as informações são engano
e a família te despede, hostil,
e você parte então
em busca de um lugar melhor.
 
 Goiás, 29 de novembro de 2013.