sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Lembranças de Macaé

Era um dia desses, cinza
chuva com pedacinhos de petróleo
vindos do fundo do mar
em plataforma flutuantes.

Era uma dia assim, sujo,
de sarjetas empoçadas
fuligem terra água-suja
carros passando e sinais fechados.

Era um dia de viagem
entre-caminhos procurando
desencontrando pessoas
mal-humoradas da vida.

Era um dia um pouco torto
descolorido em preto e branco
apenas isso e o mar azul distante
bem ali, ao lado da rodoviária chuvosa.

Era uma noite plena
de ruídos desconhecidos
o sono incompleto
em roncos duplicados.

Foi assim, um diazinho
desses em que dá tudo errado
e chuva cai devagarinho
e a sujeira da cidade
se acumula nas ruas
e a pousada barata
é uma caverna melhorada
e as pessoas te destratam
e as informações são engano
e a família te despede, hostil,
e você parte então
em busca de um lugar melhor.
 
 Goiás, 29 de novembro de 2013.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Segredo


Descobri um segredo antigo
num livrinho velho e gasto,
li e reli muitas vezes
como uma luz acesa no escuro.

O medo é aqui dentro
a solidão da vida
a angústia de não compartilhar
é alguém do nosso lado
e a gente não conversa.

Como é difícil abrir o coração!
Esses olhos que me olham
me olharão quando eu falar de mim?

Precisamos uns dos outros
de amizade verdadeira
de ouvidos abertos
e mãos que nos toquem
e braços que envolvam.

Coragem, nos dizem alguns, coragem!

Vamos todos à luta, está bem! Vamos!

No entanto
o que afasta mesmo o medo
é o amor.

Goiás, 31 de julho de 2013.

terça-feira, 18 de junho de 2013

É a vida, amigo

Eu sou a faca à noite
fogos de artifício sem festa
rasgo furo explodo
em multidão somos assim
fogo na rua
lixeirinhas quebradas
oh, vândalos
é melhor, muito melhor,
que não fazer nada.
Não é metafísica
não é facebook
não é realpolitik
é gente na rua
quer ir vir onde quer
quer tarifa zero, meu amigo,
tarifa zero.
Não entendeu?
Difícil...
Utopia, impossível, irreal.
Jovens sonhadores,
oh, bonito!
Vamos lembrar, meu amigo,
jornada de 44 horas
descanso no domingo
salário mínimo
licença saúde, maternidade
o pai morreu,
uns dias de folga pelo menos,
pra aplacar a dor.
É a vida, amigo, 
a vida impossível
uns tempos atrás.
É tarifa zero sim!
É a copa pra… (ponha o palavrão que quiser aqui)!
Educação, saúde, 
é isso tudo.
Não é só o aumento
mas é o aumento sim!
E muito mais!
Muito mais!
É a vida
pra ser vivida
sofrimento já tem
não precisa mais.
Sobrevivência?
Cacete, sobreviver?
Não!
É a vida
pra ser vivida
é muito mais!

Goiás, 18 de junho de 2013.